Nove parlamentares da bancada federal do RN apoiaram o golpe e são cúmplices do governo Temer, mas esse apoio não é refletido em benefícios para o estado. A crítica é do deputado estadual Fernando Mineiro (PT), que concedeu entrevista à Rádio Cidadania FM 98.7, de Mossoró, na manhã desta sexta-feira (29).

O RN, de acordo com levantamento divulgado pelo jornal “Valor Econômico” nesta semana, é o último no ranking de investimentos dos estados do nordeste. “O governador Robinson tem se mostrado incapaz em dar respostas às demandas da população”, criticou o deputado. “É uma pena, porque a gente deu nossa contribuição no início do governo e insistia que era preciso mudar os rumos, mas, infelizmente, ele optou pelo caminho da mesmice”.

“O filho dele [deputado Fábio Faria], assim como ele, apoiam esse governo. Apenas a senadora Fátima e a deputada Zenaide têm se destacado e se descolado desse apoio ao governo temeroso; os outros nove são cúmplices. Nunca antes na história desse estado um governo federal teve tanto apoio. Então, por que eles não usam isso para trazer recursos para o RN?”, questionou Mineiro.

Para o deputado, é lamentável que a bancada golpista apoie o governo Temer em troca de emendas parlamentares, transformando a situação num verdadeiro balcão de negócios de interesses próprios. “Quem sofre é a população. Por isso temos um estado que figura com o pior desempenho”.

UERN
Mineiro parabenizou a Uern pelos 49 anos, completados nesta quinta-feira (28), e destacou a importância da instituição para o acesso ao ensino superior no interior do estado. O deputado está em Mossoró, inclusive, porque participou da tradicional Assembleia Universitária que celebra o aniversário da universidade.

“Cerca de 89% dos alunos formados pela Uern vêm de escola pública. Ela é importante também porque dá oportunidade aos filhos de trabalhadores rurais. Grande parte da família dos estudantes sequer teve acesso ao ensino superior. Então, em muitos casos, é a oportunidade da primeira pessoa da família a conseguir essa formação”.

INSEGURANÇA NO RN
O extermínio da juventude negra do estado também foi um dos temas abordados pelo deputado Mineiro. Ele citou os dados de 2017 do Observatório da Violência Letal Intencional do RN (Obvio), que mostra o recorde de sete homicídios por dia, em média, sendo quase metade vitimando jovens de 18 a 29 anos.

“Já estamos com 1847 assassinatos no RN. No ano passado, foram 1484. Até o final do ano, nós vamos chegar ao número aproximado de 2300 assassinatos, isso é um aumento de mais de 50% em relação ao ano anterior. É a prova da falência da segurança do estado”, lamentou o deputado.

Para Mineiro, existe uma indiferença da sociedade diante dos homicídios contra os jovens porque eles são, em sua grande maioria, negros e que moram nas periferias. “As pessoas pensam que é briga da máfia ou ajuste de contas e ficam indiferentes. Não podemos ver essa realidade como se fosse normal.  É preciso reagir. A juventude precisa viver”.

O deputado propôs que o governo crie um comitê de emergência de crise para enfrentar a violência e políticas de segurança integradas entre os órgãos municipais, estaduais e da União. “É preciso criar uma cultura de paz no nosso estado e desenvolver projetos que integrem a juventude ao esporte, lazer, cultura e emprego. Onde está o abandono, a violência toma conta”.

DEFESA DO EMPREGO
Mineiro falou também da polêmica sobre a ação do Ministério Público do Trabalho contra a Guararapes. O deputado divulgou um artigo na semana passada no qual defende o emprego e os direitos trabalhistas. “O programa Pró-Sertão é importante, mas é preocupante essa denúncia contra a empresa”, disse. Ele defendeu, ainda, que a multa seja utilizada para investimento nas próprias facções, de modo a melhorar e capacitar as oficinas.