Graças à pressão popular e ao movimento de sindicatos, trabalhadores e pesquisadores ligados à água e saneamento no estado, a Companhia de Águas e Esgotos do RN (Caern) foi retirada do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do Governo Federal, a cargo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A informação sobre o cancelamento, solicitado pelo governador Robinson Faria em maio, está na edição desta quarta-feira (5) da Tribuna do Norte. O deputado estadual Fernando Mineiro (PT), que tem acompanhado de perto a questão, comemorou a decisão. “Devemos defender uma Caern pública e de qualidade e não entregar nas mãos da iniciativa privada o nosso bem mais precioso, que é a água”, comentou o parlamentar.

Desde o ano passado, Mineiro tem realizado uma série de ações no sentido de impedir que a Caern entrasse na lista de privatizações do governo golpista de Temer: fez audiência pública sobre o tema, intermediou reuniões com o Governo do Estado, participou de protesto junto aos trabalhadores da Caern e fez diversos pronunciamentos cobrando do Governo do RN a retirada imediata do nome da estatal do PPI.

De acordo com a reportagem de hoje da Tribuna do Norte, a resposta do BNDES sobre o cancelamento da contratação do consórcio Acqua (que realizaria o estudo de viabilidade na Caern) foi dada oficialmente no último dia 26. Não houve contestação da decisão.

A luta pela não privatização da Caern ganhou ainda mais força em maio, após a citação do nome da companhia pelo empresário Joesley Batista, do grupo JBS, afirmando em delação premiada que teria feito doações em troca da venda da empresa.