A chacina de seis jovens na comunidade de Santa Maria, em Extremoz, na sexta-feira (22), é um dos tristes destaques do total de homicídios (27) registrados no Rio Grande do Norte no fim de semana, de acordo com os números divulgados nesta segunda-feira (25) pelo Observatório de Violência Letal Intencional (OBVIO). A nova chacina foi realizada por pelo menos 10 homens com armas de grosso calibre, de acordo com o delegado Luciano Chaves, em entrevista ao G1 RN. Ele disse também que não é possível ainda afirmar o que motivou a matança, mas que investigam a possibilidade de envolvimento com tráfico de drogas. Ninguém foi preso até o momento.

A chacina confirma o que revela o relatório do Obvio, divulgado no início deste mês, com o perfil da maioria das vítimas de homicídios no estado: jovens, negros ou pardos, do sexo masculino e que moram na periferia. De acordo com os dados, os homicídios de jovens de 18 a 29 representam 48% do total.

“Nós vivemos numa sociedade que está apodrecida. É fácil dizer [que o assassinato contra os jovens] é um acerto de contas [do tráfico], mas é difícil admitir que, na verdade, isso é fruto da falência do Estado”, afirmou o deputado estadual Fernando Mineiro, ao comentar o relatório, cobrando políticas públicas eficientes para a juventude e contra a violência em geral.

O RN tem alcançado taxas alarmantes no crescimento da violência. O último relatório do Obvio mostra que o estado registra uma média de quase 7 homicídios por dia. De acordo com o coordenador do observatório, três grandes ausências do Estado retroalimentam a violência no RN: ausência de políticas públicas na área da segurança, ausência do Estado frente ao sistema carcerário e a falta de investimentos na área de segurança e refazimento das instituições.⁠⁠⁠⁠