Uma comissão de funcionários da Potigás, preocupados com a possibilidade de privatização da empresa, se reuniu na manhã desta segunda-feira com o deputado estadual Fernando Mineiro (PT). Durante a conversa, eles pediram apoio para evitar a venda da companhia, como anunciado pelo governo, considerada estratégica para o desenvolvimento industrial do RN.

Os funcionários se disseram surpresos com a inclusão da empresa no pacote de venda de ativos anunciado pelo Executivo. De acordo com a comissão, além de ser superavitária e não receber recursos públicos, nos últimos cinco anos a companhia fez repasses de dividendos de R$ 2 a R$ 3 milhões aos seus controladores (Governo do Estado e Gaspetro).

O Governo do Estado tem 51% das ações com direito a voto e 17% do capital social da Potigás. Esses 17% é que estariam nos planos de privatização do Executivo.

Mineiro comentou que o pacote fiscal ainda não foi enviado pelo governo à Assembleia Legislativa. Por isso, ainda não se sabe sobre o conteúdo dos projetos. Ele adiantou que, mesmo sendo confirmada a convocação extraordinária para votar as matérias, vai exigir que as propostas tramitem por todas as comissões do Poder Legislativo.

Para Mineiro, o governo cogita privatizar a empresa sem saber nem mesmo quanto é o seu valor de mercado. Ele sugeriu que a comissão elaborasse um dossiê com os dados sobre a companhia, com o objetivo de embasar o debate e convencer os demais parlamentares sobre os riscos da venda da Potigás.

Os funcionários alertaram que, se a companhia for mesmo vendida, além de não adiantar nada para solucionar a crise financeira do estado, há um risco enorme para o desenvolvimento industrial do RN.

“As empresas privadas não vão querer subsidiar a indústria potiguar, como acontece hoje com a Potigás”, observou o Técnico de Suporte Iericê Cabral. Além de Mineiro, a comissão pretende se reunir com os demais parlamentares estaduais e com o presidente da AL, Ezequiel Ferreira.