Mineiro sempre cobrou, desde o seu primeiro mandato de deputado estadual, mais transparência dos atos e acesso público às informações da Assembleia Legislativa do RN. Em fevereiro de 2015, por exemplo, ele questionou o processo de formação das chapas para a Mesa Diretora do Poder Legislativo.

Em artigo publicado no site do mandato, ele enfatizou a cobrança por mais TRANSPARÊNCIA DOS ATOS DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA (leia o texto na íntegra AQUI).

Após manifestar sua discordância sobre o processo da Mesa Diretora, responsável pela condução dos trabalhos no Legislativo, Mineiro defendeu a adoção de pontos mínimos de uma agenda para a Casa: 1) Criação de mecanismos de aproximação entre a sociedade e a Assembleia; 2) Democratização das decisões; 3) Funcionamento pleno das comissões temáticas; 4) Fim da reeleição na mesma legislatura; 5) Relação do Legislativo com o Executivo e demais poderes; entre outros.