No Dia C da Ciência, em que todo o país sai em defesa da Ciência e Tecnologia, o deputado estadual Fernando Mineiro (PT) se reúne com representantes das universidades do RN para defender mais investimentos na área e denunciar os desmontes do Governo Federal. “O estado, o Nordeste e o Brasil têm pesquisadores/as de excelência”, disse o parlamentar.

O encontro aconteceu na manhã desta quarta-feira (25), durante reunião da Comissão de Educação, Ciências e Tecnologia e Desenvolvimento Econômico e Social da Assembleia Legislativa, presidida por Mineiro.

Para o deputado, o Dia C é marcante pela conjuntura por que passa o país, de tantos cortes nas mais importantes áreas. “Nenhuma nação se desenvolve sem ciência”, reafirmou o parlamentar.

Universidade de ponta

A reitora da Universidade Federal do RN (UFRN), Ângela Paiva, destacou que o Dia C foi pensado para estabelecer um diálogo franco com a sociedade sobre a importância da Ciência e Tecnologia na qualidade de vida das pessoas, no desenvolvimento econômico e social do país. “Estamos mostrando o que é produzido aqui e dizendo que tudo possui um custo, necessita de financiamento”, afirmou.

Ângela lamentou que o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações seja uma das pastas com o maior contingenciamento, com uma redução de mais de 50% dos recursos. “A sociedade deve estar ao nosso lado, porque Ciência não é gasto, mas investimento”.

A reitora destacou também que, mesmo com a crise, a UFRN se mantém como uma das melhores universidades do Nordeste e do país, com conceitos altos em diversos programas. A Pós-graduação em Ciência e Engenharia de Materiais (PPGCEM), por exemplo, alcançou recentemente a nota 7, uma pontuação de excelência. É o único programa da área no Nordeste com este conceito.

Potencial do RN

O diretor-presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa do RN (Fapern), Uílame Umbelino, ressaltou que o Dia C é um movimento nacional para dizer à sociedade que a Ciência e Tecnologia são nossos bens maiores. “O Brasil, pela sua potencialidade, pode se desenvolver muito mais com investimentos em pesquisa”, disse.

Como exemplo, o diretor citou a produção de sal pelo RN, que é o estado que domina 90% da atividade no país. “Não temos um centro de tecnologia, e isso seria muito importante, porque o sal não vai somente para a cozinha”, mostrou. Além disso, destacou que o RN está entre os cinco maiores produtores minerais do Brasil.

Ele defendeu, ainda, o tripé empresa-governo-universidade como a parceria que deve funcionar para desenvolver o estado e o Brasil. “A ciência é o futuro da juventude, o futuro da nação”, afirmou.

Orçamento 2018

Ao final da reunião, Mineiro anunciou e comemorou o aumento de recursos previstos para a pesquisa no estado em 2018. No Orçamento do próximo ano, há uma previsão de R$ 38 milhões (em 2017, foram R$ 12,5 milhões). “A conquista é fruto da mobilização da Comissão com os representantes das entidades de pesquisa e universidades do RN”.

Também participaram da reunião a vice-reitora da Universidade do Estado do RN (Uern), Fátima Raquel Morais; o diretor do campus Natal da Uern, Francisco Dantas; o coordenador do PPGCEM da UFRN, Wilson Acchar; o pró-reitor de Pós-graduação da UFRN, Rubens Maribondo, e o pró-reitor de Pesquisa da UFRN, Jorge Falcão.

Fotos: Vlademir Alexandre