Diante do auditório lotado do Sindicato dos/as Trabalhadores/as da Agricultura Familiar (Sintraf) de Montanhas, o deputado estadual Fernando Mineiro (PT), ao analisar o atual momento político do país, na noite da última quarta-feira (18), afirmou que “é a esperança do povo brasileiro que está presa, não o Lula”.

“O que está acontecendo com o Lula é um plano que começou com a armação do impeachment da Dilma. As pessoas estão vendo que a situação piorou com a saída dela. O povo foi enganado. Agora, a esperança do povo é o Lula”, analisou.

Mineiro ressaltou que “a vida do povo melhorou nos governos Lula”, destacando a redução da miséria, o crescimento do emprego e o acesso a bens de consumo como exemplos dessa mudança.

A perseguição a Lula, na opinião dele, é resultado da insatisfação da “elite política que sempre dominou o país” com essas conquistas da classe trabalhadora.

A opinião do público presente ao debate, formado de agricultores/as familiares, funcionários/as públicos e estudantes, convergiu com a de Mineiro em relação às causas da perseguição contra Lula. Para a população, ele paga o preço de ter “governado para os pobres”.

O funcionário público Paulo Diogo disse que a prisão de Lula “é o capítulo final do golpe”, que começou com a criminalização do PT depois das eleições de 2014, seguiu com a derrubada da presidenta Dilma e avançou com a retirada de direitos dos/as trabalhadores/as.

“O objetivos dessa prisão é impedir Lula de participar das eleições de 2018. Eles querem que o filho do agricultor seja sempre agricultor, que a filha da empregada doméstica seja sempre empregada e que o filho do pobre continue sendo pobre. Eles não querem que os filhos dos pobres sejam engenheiros, advogados, médicos”, exclamou.

Para o agricultor Maurício Soares, o momento é de tristeza, mas isso não elimina nossa “obrigação de lutar”. “Nós somos trabalhadores, filhos de trabalhadores. O pobre não tinha oportunidade antes de Lula. Agora é que temos de lutar. Para Lula ser solto, precisamos unir forças”, advertiu.

Já o professor Antônio Duarte, dirigente do Sinte-RN, “o povo tem a obrigação de se levantar em defesa de Lula pelo que ele fez em favor dos/as trabalhadores/as do Brasil.

Na opinião de “Seu” Quinzinho, o que está em jogo com a prisão de Lula “é a luta de classes no Brasil”. Ele disse que os que se iludem acreditando que a elite vai defender a melhoria de vida dos pobres “está se enganando”, porque “os ricos vão ser sempre a favor dos seus privilégios, não de dar mais direitos aos pobres”.

Mineiro elogiou o nível de conscientização dos/as trabalhadores/as de Montanhas. Ele disse que essa mobilização precisa se espalhar pelo resto do estado, para que as pessoas se engajem nessa luta pela democracia e pela liberdade de Lula.

Fotos: Jaison Cordeiro