Um demônio na forma masculina conhecido por invadir o sonho das mulheres e abusar delas enquanto dormem, drenando suas energias. Foi relacionando essa definição com relações abusivas vividas por mulheres que Alice Carvalho batizou seu mais novo projeto, o monólogo “Inkubus”. A estreia oficial do espetáculo será nesta sexta-feira e sábado (15 e 16), às 20h, no Teatro de Cultura Popular Chico Daniel (TCP).

Escrito e estrelado por Alice Carvalho (“Jéssica”, de Septo, 2016) e dirigido por Junior Dalberto (“Borderline”, 2014 e “Ventre de Ostra”, 2016), o texto de Inkubus foi desenvolvido a partir de vivências da própria Alice e de mulheres próximas a ela que sofreram violências como abuso sexual, assédio e agressão física. “A cada 7 minutos uma mulher é agredida no Brasil e, na maioria dos casos, é pelo seu companheiro”, destacou a atriz.

O espetáculo conta a história de “Beatriz Mosquitto”, uma jovem e talentosa artista que toca violão na rua para sobreviver e que possui um histórico de abuso e assédio, além de uma relação problemática com a mãe. “A mãe reproduzia a necessidade de encontrar um pai para ela, quando na verdade ela nunca precisou de outra pessoa. Elas duas já eram uma família e a mãe dela não enxergava isso. Isso criou vários problemas nessa menina”, explicou Alice.

Inkubus começa a história pelo fim, despertando a curiosidade do porquê de Mosquitto estar ali contando a sua trajetória de vida e o que aconteceu. O cenário é minimalista, composto apenas por uma cadeira, um violão e um imenso pano vermelho que por vezes vira figurino, casulo ou outra pessoa. “Mosquitto percorre todo um trajeto através de suas memórias e sentimentos para, num momento de catarse, fazer daquele tecido casulo, encontrando redenção naquilo que sempre esteva ali, tão latente: sua arte”.


Em janeiro a equipe começou a trabalhar o texto escrito por Alice Carvalho e os ensaios começaram em fevereiro. Aprovado no edital de Economia Criativa do Sebrae RN, o espetáculo tem uma história eletrizante sobre violência e a descoberta do amor próprio. “A personagem surge ora moldada, ora moldando o tecido da violência, do ideal da família tradicional imposto por uma sociedade machista e alienada”.

O espetáculo traz, ainda, trilha sonora exclusiva assinada pelo produtor musical Jamisson Pinheiro, com colaboração do multi-instrumentista e maestro Antônio de Pádua, produção artística de Gabrielle Barros (“Dalton/Hebe” 2016), produção executiva de Carol Carvalho (Tropa Trupe), iluminação cênica de Rogério Ferraz (Grupo Estação de Teatro), identidade visual da artista plástica e fotógrafa LuAna Cavalcante (“O SER de LuAna” 2016) e conteúdo audiovisual de Larinha R. Dantas (“Pássaros” 2017”, “Buena Onda” 2017).

Expediente:
Estreia – INKUBUS
15 e 16/09 – 20h
Teatro de Cultura Popular – Rua Jundiaí, 641, Tirol (Natal/RN)
Valor: R$30,00 (inteira); R$15,00 (meia)
Evento – bit.ly/EstreiaInkubus
Ingressos – bit.ly/IngressosInkubus

Fotos: Luana Tayze