O SIAEM (Sistema de Informações sobre o Abastecimento d'Água e Esgotamento nos Municípios do RN) foi desenvolvido pelo nosso mandato para reunir, em um só local, dados de recursos hídricos de todo o estado e  contribuir para análises, estudos e ações políticas acerca desta temática. 

Diversas informações são tratadas no SIAEM, como o sistema de distribuição de água (captação, operadora, tipo de manancial, bacia hidrográfica), detalhes do abastecimento d'água, da coleta e tratamento de esgoto, pluviometria do município, local de captação, etc. 

Faça bom uso das informações aqui disponibilizadas.

Fernando Mineiro / Março de 2014

No Sistema, é possível conferir os dados de cada município, separadamente, em uma interface interativa e de fácil uso. O município pode ser selecionado no próprio mapa ou na lista do canto superior direito, com a relação de nomes em ordem alfabética.

Primeiramente clique no município desejado. Em seguida, escolha a categoria que você deseja visualizar, clicando na barra azul da mesma.

  1. População: número de habitantes que ocupa a área rural e a zona urbana de cada município.
  2. Sistema: dados do Sistema de Abastecimento de água, como nível dos reservatórios, tipo de manancial e bacia hidrográfica.
  3. Abastecimento de água: quantidade de ligações de água, índice de perda e o consumo em litros/hab/dia.
  4. Esgoto: quantidade de ligações de esgoto e o índice de tratamento.
  5. Pluviometria: quantidade de chuva anual do município.
  6. Poços: qualidade da água de poços.
  7. Projeções ANA: análise da Agência Nacional de Águas para o cenário em 2015.

O sistema público de abastecimento de Água e esgoto no RN é operado em 155 municípios pela CAERN e em 12 municípios pelo SAAE (Sistema Autônomo de Água e Esgoto). As principais fontes de água para abastecimento público são mananciais superficiais e subterrâneos, que estão intrinsicamente ligados.

No estado, são 32 municípios abastecidos por mananciais subterrâneos (poços), 90 por fontes superficiais e 45 pelos dois tipos de mananciais. Os principais reservatórios, acima de 70 milhões de m3 de Santa Cruz do Apodi, Umari, Poço Branco, Lagoa do Bonfim, Boqueirão de Parelhas, Mendubim, Armando Ribeiro Gonçalves, Itans e a barragem Tabatinga em Macaíba.

O clima semiárido do interior do RN demanda medidas efetivas de gerenciamento de recursos hídricos para minimizar os efeitos das secas recorrentes.

Para proteção de mananciais superficiais e subterrâneos, é essencial que existam coletas e tratamentos adequados de esgoto, melhorando a qualidade da água e reduzindo a ocorrência de doenças de veiculação hídrica. Segundo o IBGE (CENSO 2010), 37 municípios do RN apresentam infraestrutura de coleta e tratamento de esgoto. As cidades com maior taxa de saneamento adequado são: Timbaúba dos Batistas (83,7%), Acari (81,3%), Currais Novos (80,9%), Santa Cruz (78,0%) e Caicó (73,0%). Já as cidades com menores taxas de saneamento adequado são Porto do Mangue (0,28%), Coronel João Pessoa (0,24%), Serrinha dos Pintos (0,22%), Martins (0,17%) e Galinhos (0%). Natal tem o indicador de atendimento total de esgoto em 33% (Instituto Trata Brasil 2011).

A unidade básica do planejamento ambiental é a bacia hidrográfica. No RN temos 16 bacias: 1. Apodi/Mossoró, 2. Piranhas/Assu, 3. Boqueirão, 4. Punaú, 5. Maxaranguape, 6. Ceará-Mirim, 7. Doce, 8. Potengi, 9. Pirangi, 10. Trairi, 11. Jacú, 12. Catu, 13. Curimataú, 14. Grajú, 15. Faixa Litorânea Norte de Escoamento Difuso e 16. Faixa Litorânea Leste de Escoamento Difuso.

Para realizar transposições de bacias e o gerenciamento de recursos hídricos, o estado dispõe atualmente de 10 adutoras num total de 3.137 km.

O Rio Grande do Norte vive à beira de um colapso em seu sistema de abastecimento d'água destinado ao consumo humano. A causa principal da situação crítica do abastecimento d'água em nosso estado é o não funcionamento do Sistema de Gestão Integrada dos Recursos Hídricos. A despeito de tal sistema estar previsto em lei desde o ano de 1996, ele nunca foi efetivamente implantado.

A Lei 6.908/96, que criou a Política Estadual de Recursos Hídricos, também instituiu o Sistema Integrado de Gestão de Recursos Hídricos. No entanto, ele não saiu do papel. Os órgãos que tratam diretamente com os recursos hídricos em nosso estado não atuam de forma integrada e articulada. Cada um em seu quadrado busca responder às demandas imediatas, de forma isolada e sem planejamento. A situação só não é pior graças à dedicação de servidores e técnicos da área, que trabalham nas mais adversas situações.

A crise do abastecimento d'água no Rio Grande do Norte exige que os responsáveis pelos órgãos de gestão dos recursos hídricos (Semarh, Caern, Igarn, Dnocs, SAAEs, Comitês de Bacia etc.) se articulem e planejem de forma coletiva os caminhos para enfrentar emergencialmente a atual situação e apontar soluções de curto, médio e longo prazos. A iniciativa para que isto aconteça é de responsabilidade intransferível da chefe do Executivo Estadual.

Sistema de informações sobre o abastecimento d'agua do RN