Ex-ministro de Direitos Humanos no governo Lula, Nilmário Miranda lança, no próximo sábado (17), o livro de memórias “Histórias que vivi na História”. Nele, o jornalista e político apresenta o testemunho de quem sentiu na pele o golpe civil-militar de 64 e lutou pelo restabelecimento da democracia, com relatos do período de clandestinidade e prisão política até chegar ao atual panorama do Brasil. O lançamento será às 19h no Acabou Chorare Bar Cultural (Ponta Negra).

Nilmário Miranda faz um balanço dos avanços e retrocessos das conquistas sociais no Brasil, sobretudo a partir da Constituição de 1988. Destaca a contribuição do PT e de outros partidos de esquerda na redução das desigualdades e da injustiça, mas não deixa de reconhecer erros políticos desses grupos – o que, na sua visão, contribuiu para “o golpe parlamentar de 2016”. Aponta, ainda, os estragos do “governo ilegítimo” Temer, como “a erosão do Estado Democrático de Direito” e o “desmanche das conquistas sociais”.

No livro, o jornalista também revela que a conjuntura política do país impulsionou o processo de escrita. “Decidi escrever Histórias que vivi na História depois do golpe de 2016, que liberou tanta intolerância, violência e ódio. Nossa geração não esperava que fôssemos viver de novo tanto retrocesso. Cada um tem o dever e a obrigação de fazer o que sempre fazemos: lutar, e, não havendo o que fazer, lutar”, conta. Para Nilmário, o Brasil muito já caminhou, mas ainda tem um longo percurso a cumprir para se tornar de fato um Estado Democrático em toda a plenitude.