Mais da metade das estradas do Rio Grande do Norte estão classificadas entre regulares, ruins ou péssimas. De acordo com levantamento da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), divulgado nesta terça-feira (7), 53,9% das rodovias foram enquadradas nessas categorias, enquanto 46,1% foram consideradas boas ou ótimas.

O levantamento mostra que, no geral, o Brasil apresenta 61,8% de suas estradas consideradas regulares, ruins ou péssimas. No total, são 105.814 km de rodovias – as potiguares somam 1.894 km.

Para Clésio Andrade, presidente da CNT, a necessidade de retomada econômica do Brasil nos próximos anos ampliará as demandas por uma maior eficiência na infraestrutura de transporte. “Assegurar a recuperação e a expansão da nossa malha rodoviária mostra-se imprescindível para permitir um crescimento social e econômico com bases permanentes”, ressaltou.

Queda nos investimentos

Em setembro passado, o jornal Valor Econômico divulgou que o RN estava em último lugar no ranking de investimentos, no primeiro semestre de 2017, entre os estados do Nordeste. A lista também se refere a recursos para infraestrutura, que inclui as estradas.

Um dos reflexos do baixo nível de investimento é na paralisação de obras que deveriam melhorar a vida da população e ajudar a impulsionar o desenvolvimento do estado. Um relatório do Tribunal de Contas de Estado (TCE), apresentado em julho desse ano, revelou que, no total, 313 obras estão paradas no RN, incluindo estradas.

Foto: Vlademir Alexandre (Estrada da Produção, inacabada)