O deputado estadual Fernando Mineiro (PT), na sessão plenária desta terça-feira (10), manifestou repúdio às manobras encabeçadas pelo juiz Sério Moro para não libertar o ex-presidente Lula no último domingo. Mesmo de férias, Moro atuou para impedir que o habeas corpus concedido pelo desembargador Rogério Favreto não fosse cumprido.

De acordo com Mineiro, a medida desmoralizou, mais uma vez, a justiça brasileira e “escancarou” para o Brasil e para o mundo que se trata de uma perseguição para impedir que Lula seja candidato a presidente.

“É lamentável. Um juiz de férias se nega a cumprir ordens de um desembargador, em conluio com setores da Polícia Federal, e coloca o Brasil em uma chicana internacional, desmoralizando a justiça brasileira”, criticou o deputado.

“O que é aconteceu domingo é digno de revolta e repúdio por todos/as aqueles/as que compreendem que a Justiça é uma atividade fundamental para a democracia, para garantir o Estado Democrático de Direito”, disse. Mas, de acordo Mineiro, “ficou claro o tipo de (in)justiça que está sendo vítima a maior liderança política do Brasil”. “Querem impedir que Lula seja candidato a presidente”, reforçou.

EM DEFESA DA UERN
Mineiro também registrou as duas atividades que participou em Pau dos Ferros e Patu, ontem, promovidas pela Frente Parlamentar e Popular em Defesa da UERN. A atividade, organizada pelo vereador Francisco Carlos, contou com depoimentos de estudantes sobre a importância da instituição em suas vidas pessoais e no processo de desenvolvimento das regiões do médio e alto oeste.

“Fomos reafirmar uma posição em defesa da instituição e a necessidade de dialogar com a sociedade sobre a importância da UERN”, disse o deputado. “Rechaçamos também todas as alternativas de culpabilizar a UERN pela crise, de desmoralizá-la e, inclusive, de privatizá-la”. Mineiro disse também que agem de “má fé” quando tentam desestruturar a universidade.

Mineiro disse que, ao final da jornada desses encontros, a Frente vai elaborar um documento que será apresentado aos/às futuros/as candidatos/as ao governo do estado e parlamentares para que eles assumam o compromisso com a UERN – única instituição de ensino superior pública do Estado.