O deputado estadual Fernando Mineiro (PT) denunciou, mais uma vez, que a entrega dos campos maduros da Petrobras e diminuição das atividades da empresa no RN terão grande impacto negativo na economia do estado. Na sessão desta quarta-feira (17), o parlamentar ressaltou que os empresários que estavam defendendo a ação, acreditando que seria bom para o desenvolvimento do RN, estavam equivocados.

“Há pouco tempo, alguns setores empresariais estavam até torcendo para essa entrega ou privatização, na doce ilusão de que seriam contempladas empresas do RN”, disse Mineiro. “Ouvi muitos discursos equivocados de empresários defendendo isso, mas os acontecimentos, desdobramentos dessa posição têm indicado caminho totalmente inverso”, completou.

Para Mineiro, haverá muitas consequências do processo em curso de privatização, de saída da Petrobras dos campos maduros e entrada de empresas nessas áreas. “Nenhuma delas é daqui, sequer são nacionais, mas consorciadas com grupos internacionais. E elas chegarão, tirarão as riquezas e irão embora”, denunciou. Além disso, haverá menos mão-de-obra para atuar nessas atividades, e as relações com a segurança, o meio-ambiente e a economia local serão totalmente diferentes.

Trata-se do impacto na vida econômica do estado, e Mineiro demonstrou preocupação com a entrega para empresas que não têm nenhuma relação com o RN, com a cadeia produtiva econômica construída para a indústria do petróleo no estado. “Imaginem também as consequências para o conhecimento, a pesquisa científica. Alguém acha que essas empresas irão dotar nossas universidades de convênios?”, questionou.

Mineiro lembrou que a economia do RN tem muitos pilares importantes, e que a presença da Petrobras sempre teve grande contribuição, com o desenvolvimento tecnológico e empregabilidade, por exemplo. Há cerca de três semanas, o mandato do deputado realizou audiência pública para debater o assunto e chamar a atenção da sociedade para o que está em jogo, em um processo acelerado de entrega das nossas riquezas.

“A Petrobras teve papel decisivo no estado nos últimos 50 anos, e o que está em curso é a mudança desse papel”, afirmou. “A Assembleia Legislativa tinha que ter um posicionamento sobre esse assunto, pelo impacto na economia do Estado, dos Municípios e na sociedade como um todo, cobrando posições da Petrobras e do governo ilegítimo e interino de Michel Temer”, ressaltou Mineiro.

O parlamentar destacou, ainda, que há uma confusão feita por alguns setores, como se os que defendem a Petrobras estejam defendendo apenas os interesses dos funcionários. “Se fosse só isso, já seria um bom motivo, mas é algo maior, é a defesa do Estado”, rebateu.

“Enquanto estamos no nosso quadrado, preocupados com questões mais imediatas, como a disputa eleitoral, estamos ‘esquecendo’ desse processo”, criticou Mineiro. “O percentual a ser repassado aos Municípios será menor ou nada. Gostaria de ouvir a opinião dos que são candidatos e candidatas nos municípios que recebem royalties da Petrobras”, disse.

Mineiro finalizou seu pronunciamento ressaltando que a política de desinvestimento da Petrobras no RN está dentro de um contexto mais geral, de golpe, de entrega das riquezas como o pré-sal. “Há 15 dias, foi entregue a Área de Carcará por 10% do que realmente valia. Essa é a lógica do golpe em curso”.

Foto: João Gilberto/ALRN