A Comissão de Educação da Assembleia Legislativa e o Fórum de Reitores se reuniram, na manhã desta quarta-feira (07), para debater as demandas orçamentárias para o desenvolvimento científico e tecnológico da Fapern (Fundação de Apoio à Pesquisa do RN) e da Uern (Universidade do Estado do RN).

O deputado estadual e federal eleito Fernando Mineiro (PT), relator do Orçamento Geral do Estado para 2019 e membro da comissão, destacou o “abandono das políticas públicas para a Ciência e Tecnologia no RN” e que espera que nos próximos anos, na gestão da governadora eleita Fátima Bezerra, ocorra um processo de reversão dessa situação.

Mineiro também reiterou as dificuldades de debater a questão orçamentária apenas no final do ano. “Já falei várias vezes sobre essa necessidade de planejamento com antecedência. O processo orçamentário começa no início do governo com o PPA e no início do ano com a LDO. Ao discutir orçamento no final da partida só nos cabe fazer ajustes”, reforçou.

Como encaminhamento, o deputado sugeriu que a Fapern e a Uern apontem o que foi apresentado como demanda para a Secretária de Planejamento para que seja possível analisar o que foi encaminhado e que as instituições também entrem em contato com os/as parlamentares da Casa Legislativa para conseguir recursos através de emendas individuais, que deverão ser apresentadas até o dia 22 de novembro.

DEMANDAS
A reitora da UFRN (Universidade Federal do RN), Ângela Paiva, destacou a necessidade de orçamento para a Fapern para que seja possível o apoio da fundação aos projetos das universidades. “É fundamental que o RN tenha esse apoio para a consolidação da Fapern para que ela possa definitivamente cumprir o seu papel”.

Ângela Paiva também falou do papel fundamental que a Uern tem para o “desenvolvimento humano e econômico” no RN. “Precisamos garantir o apoio aos campi, aos professores e técnicos para que a universidade permaneça e se consolide no interior do estado”.
A vice-reitora da Universidade do Estado do RN (Uern), Fátima Raquel Morais, também falou da importância da instituição no interior porque “possibilitou que muitas famílias pudessem transformar sua vida, que os filhos tivessem acesso a uma universidade de qualidade”.

O presidente da Fapern, João Maria, disse que se não sairemos da crise sem investimento em desenvolvimento, em Educação, Ciência e Tecnologia. Ele também apresentou um plano de investimento para a Fapern e defendeu que “em um estado que não tem secretaria de Ciência e Tecnologia é preciso ainda mais fortalecer a Fundação de Pesquisa”.

Também participaram da reunião o pró-reitor de Pesquisa do IFRN, Márcio Adriano Azevedo, o pró-reitor de Pesquisa da Ufersa, Jean Berg da Silva, o deputado estadual Albert Dickson e a deputada estadual Larissa Rosado.

Fotos: Eduardo Maia/ALRN