A presidenta Dilma Rousseff indicou que deverá vetar o projeto de lei que estabelece o financiamento empresarial de campanhas eleitorais, aprovado recentemente pela Câmara dos Deputados graças a uma manobra do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O Supremo Tribunal Federal (STF), no início da semana passada, decidiu pela proibição de doações de empresas a candidatos e partidos políticos.

O deputado estadual Fernando Mineiro (PT) defende o veto de Dilma ao projeto da Câmara dos Deputados. Para ele, o fim do financiamento empresarial das campanhas políticas é importante para “fechar uma das portas de entrada da corrupção”.

“A decisão do STF foi muito importante, mas é essencial, agora, que a presidenta Dilma Rousseff vete a permissão para que empresas financiem campanhas. Caso isso não ocorra, voltamos à estaca zero”, advertiu.

De acordo com o Estadão, Dilma teria dito a Eduardo Cunha, através de telefonema, que nem ela nem ele poderiam “fazer um enfrentamento com o Judiciário”. A presidenta precisa tomar uma decisão até o começo de outubro para que as novas regras possam valer para as eleições de 2016.