Em reunião na Comissão de Desenvolvimento Regional do Senado em Brasília (DF), nesta terça-feira (20), presidida pela senadora Fátima Bezerra (PT), o ministro da Integração Nacional Helder Barbalho afirmou que não existe orçamento assegurado para construção dos ramais Apodi/Mossoró (RN) e do Piancó (PB), que integram o Eixo Norte. As duas obras são fundamentais para a chegada das águas da transposição do rio São Francisco às cidades das regiões do Alto Oeste e do Seridó.

O Projeto Executivo do Ramal Apodi/Mossoró, segundo o ministro, já foi finalizado. A obra, com extensão de 115 km, está orçada em R$ 21, bilhões. Já o Ramal do Piancó (PB) ainda está em fase de realização de estudos técnicos pelo Banco Mundial.

O deputado estadual Fernando Mineiro (PT), presente à audiência, elogiou a retomada das obras do Eixo Norte e a conclusão do Projeto Executivo, o que foi fruto da mobilização social e da ação da Comissão de Desenvolvimento Regional, através da senadora Fátima Bezerra.

A próxima etapa, ainda sem prazo, é o lançamento do edital para a contratação da obra. O ministro propôs que a bancada federal potiguar faça uma emenda coletiva para viabilizar os recursos, sob pena de não haver orçamento para isso em 2018.

Mineiro lembrou que a chegada das águas ao rio Piranhas/Assú, que vai beneficiar a região do Seridó, depende que cheguem primeiro ao Reservatório Jati (CE).

“Para as águas chegarem ao Seridó, será preciso resolver inúmeras barreiras. Caso contrário, chegarão à Paraíba e ao Ceará, mas não ao Rio Grande do Norte”, alertou.

O ministro disse que até junho as águas chegam ao Reservatório de Jati (CE), após a conclusão da última Estação de Bombeamento. De Jati até o Piranhas/Assú, segundo ele, não há mais obras estruturantes a serem feitas, devendo seguir só o caminho das águas.

 

O ministro não quis dar uma previsão concreta de quando as águas efetivamente chegarão ao Seridó, por causa das obras complementares que ainda precisam ser realizadas. A perenização do Rio Piranhas/Assú vai beneficiar o Seridó através das barragens de Oiticica e Armando Ribeiro Gonçalves.

Mineiro propôs que seja agendada uma reunião entre o Ministério da Integração Nacional, Agência Nacional de Águas (ANA) e os governos do RN e da PB, com o objetivo de “debater como as águas chegarão ao Rio Piranhas/Assú”.

Por iniciativa da senadora Fátima Bezerra, foi formada uma comissão entre Ministério e ANA para tratar dessa situação. “É preciso reunir com os governos para ver quais são os obstáculos para a chegada efetiva dessas águas no Piranhas/Assú”, reiterou Mineiro.

Fotos: Cedidas.