Graças à vigilância e mobilização dos/as trabalhadores/as brasileiros/as, a votação da Reforma da Previdência foi adiada para fevereiro do próximo ano. A informação divulgada pela Folha na tarde desta quarta-feira (13) teria partido do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR).

De acordo com o parlamentar, houve um acordo entre os presidentes da Câmara e do Senado. Isso às vésperas da data marcada pelos aliados de Temer para iniciar, na Câmara, a discussão sobre a proposta.

O deputado estadual Fernando Mineiro (PT) avalia que este é o momento de manter a pressão e a luta. “Devemos nos fortalecer nas ruas, nas redes e no Congresso, questionando os deputados e senadores sobre como votarão, se a favor ou contra os trabalhadores brasileiros”, afirma.

Segundo a Folha, “até entre governistas há a avaliação de que no ano que vem o governo continuará a encontrar grandes dificuldades para aprovar as medidas”. Para Mineiro, as centrais sindicais, os movimentos sociais e os/as trabalhadores devem permanecer em alerta e dialogando com as pessoas sobre as perdas que a reforma pode trazer.

Foto: Vlademir Alexandre