Se festival tem a ver com festa, O Mundo Inteiro é um Palco chega à sua quinta edição em clima de muita celebração das artes em Natal, reunindo peças teatrais nacionais e latino-americanas. A partir desta sexta-feira (22), até o dia 30, o Clowns de Shakespeare têm a honra de apresentar ao respeitável público desta cidade muito além de espetáculos: no palco, debates, oficinas e o tradicional cortejo do Boi Galado e Boi Marinho pelas ruas do bairro Nova Descoberta.

Uma das principais novidades desta edição é a presença do grupo convidado Malayerba, coletivo equatoriano que é referência na América Latina e tem sido uma grande fonte de inspiração para o fazer artístico e pedagógico do Clowns. “Procuramos tanto reeditar ações das edições passadas, que consideramos que são êxitos, como trazer essa grande novidade internacional”, disse o grupo.

Fotos: Divulgação

Para o Clowns, é mais do que importante que a cena teatral natalense tenha a oportunidade de ver espetáculos que não viriam de outra forma. “A ideia é congregar em quase 10 dias muita gente de teatro e dança junta”, comemorou. “O festival viabiliza o acesso dos estudantes, dos artistas e da população a grandes obras, e pro Clowns é uma maneira de trazer peças que nos interessam, parceiros importantes na história do grupo”.

Sobre o fazer teatral no estado, o Clowns acredita que é “sempre uma resistência”, como qualquer atividade artística. “Algumas pautas prejudicam as artes cênicas de modo geral aqui: os teatros fechados sem perspectivas de melhoria, a falta de espaços de formação na cidade e o pouco apoio para manutenção dos grupos”, desabafou a companhia.

O Clowns acredita que para as pessoas se darem conta de verdade da arte produzida aqui e dos artistas locais, é preciso que o poder público viabilize projetos de formação de público. “Se a primeira condição para modificar a realidade consiste em conhecê-la – como diz Galeano em seu livro As veias abertas da América Latina –, é através do encontro entre artistas e público potiguares, brasileiros e latino-americanos que podemos começar a questionar que aspectos sociais, estruturais e estéticos revelam nossas similaridades e diferenças”.

Confira aqui a programação completa do festival