A Polícia Federal concluiu que não houve crime de obstrução de Justiça na indicação do ministro Marcelo Ribeiro Navarro Dantas ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) por parte da ex-presidente Dilma Rousseff em 2015. A informação foi divulgada pelo portal UOL nesta terça-feira (22).

O relatório final da PF refere-se à investigação que averiguava se houve, na indicação de Navarro por Dilma, algum tipo de articulação para barrar a Lava Jato. A suspeita partiu de uma delação premiada que, antes mesmo de ser investigada, foi amplamente divulgada pela grande mídia, julgando a presidenta e o ministro.

O deputado estadual Fernando Mineiro (PT) falou sobre o relatório na sessão plenária desta quarta-feira (23) e lamentou que o episódio tenha jogado reputações na lata do lixo, como a de Dilma e de Navarro. “Isso traduz o ódio que tomou conta do debate político do Brasil”, ressaltou.

“Quantas matérias de jornais e blogs afirmaram que Navarro foi indicado para barrar a Lava Jato? Quantos inimigos de Dilma usaram esse fato para derrotá-la e afastá-la da Presidência, dando credibilidade a essa versão?”, questionou Mineiro. “E quantos registros acontecerão nacionalmente sobre o resultado da investigação?”, completou.

O deputado questionou, ao final do seu pronunciamento, quem irá pagar o dano causado ao Brasil, a Dilma e a Navarro. “Os dias que correrão deixarão ainda mais claro toda a manobra que houve na engrenagem para afastar a presidenta”.