Em mais uma rodada do seminário PT Pensa o RN Rumo a 2018, o deputado estadual Fernando Mineiro (PT) afirmou que um projeto para o Estado precisa dar especial atenção às questões da Região Metropolitana de Natal, senão “não vamos enfrentar 90% dos problemas estaduais”. Na tarde deste sábado (2), no Espaço Cuxá, dirigentes, parlamentares e petistas estiveram reunidos para pensar a capital e a Grande Natal.

Pré-candidato a deputado federal, Mineiro ressaltou sua preocupação com as ações integradas entre os municípios que fazem parte da Região Metropolitana e destacou que a zona também concentra grandes problemas, como o extermínio da juventude negra (90% dos casos). Ele falou ainda sobre a disputa nacional em 2018 e os desafios das eleições presidenciais. “O pleito do ano que vem será decisivo para o futuro do país”, afirmou.

Durante o seminário, a senadora Fátima Bezerra destacou que o RN é um dos estados com situação mais crítica no Nordeste. “Isso exige de nós um debate muito pé no chão, com responsabilidade”, disse. Autora da Lei que instituiu a Região Metropolitana de Natal, quando deputada estadual, ela afirmou que o estado está pagando o preço por “sucessivas gestões incompetentes”.

“Precisamos encontrar saídas para responder à altura à crise do Estado”, disse Fátima. “É preciso, antes de tudo, agradecer ao povo do RN, que, em meio a esse clima de criminalização da política, lembrou de colocar o PT, de forma espontânea, como preferência nessa disputa de 2018”.

Crise estadual

O economista Aldemir Freire fez uma fala sobre a atual situação financeira do Estado e acredita que pode piorar no próximo ano. O governo, que entrou dezembro devendo R$ 200 mi ainda da folha de outubro, pode entrar em 2018 com uma dívida de R$ 1,2 bi. “A crise vai desembocar no próximo ano, e os atrasos salariais devem chegar aos demais Poderes”, disse.

Para o especialista, o próximo gestor estadual precisa fazer um “grande pacto” para que a conta deixe de ser paga apenas pelos servidores e a população usuária dos serviços públicos. “É preciso pactuar com os trabalhadores, os empresários e os outros Poderes”, defendeu. “Também precisamos discutir melhor os incentivos fiscais do Proadi”.

Região Metropolitana de Natal

Outra importante contribuição ao seminário foi do professor da UFRN Alexsandro Ferreira, que falou sobre a Região Metropolitana, suas características, a falta de planejamento integrado e os desafios que precisam ser encarados pelo Executivo. Para o professor, como passou a agregar muitos Municípios, a região virou uma espécie de “macrocefalia”, concentrando produção e PIB, por exemplo. Isso é aprofundado pela falta de investimento nas outras cidades do interior do estado.

Além disso, ele destacou que o território se deu muito mais por força de lei do que por dinâmicas reais que permitam a convivência. O professor citou que Natal, Parnamirim e São Gonçalo do Amarante são de fato a Grande Natal e concentram 80% da Região Metropolitana. “Torna-se uma relação desigual”, observou. “Outro ponto a se refletir é que muitas vezes ela atrai investimentos, mas não melhora a vida da população”.

Fotos: Vlademir Alexandre