O domingo (06) da “Zona Oeste de Responsa” foi de bate-papo sobre o cenário político e as demandas para a região com o pré-candidato a deputado federal Fernando Mineiro e a deputado estadual Eraldo Paiva. Na plenária, os/as moradores/as demonstraram preocupação com a insegurança do RN e os retrocessos sentidos no governo Temer. A importância da participação popular para mudar essa situação e de eleger deputados/as e senadores/as alinhados/as ao projeto de governo do Lula e da Fátima também foi destaque nas falas.

“A nossa sociedade tem uma história de pouca participação política. Principalmente agora que a gente vive um momento que boa parte da mídia quer criminalizar a política”, explicou Mineiro. A rejeição e o descrédito com a política, na visão do deputado, será um dos principais desafios nas eleições deste ano.


Mineiro acredita que apesar do desânimo com a atual conjuntura de perda de direitos, após dois anos que a Dilma foi afastada, as pessoas estão sinalizando que têm esperança de que a situação pode ser revertida. As pesquisas apontando a liderança de Fátima e Lula são um sinal disso. O deputado alertou, contudo, que a disputa não será fácil e que as pessoas precisam se conscientizar quanto ao voto nos/as parlamentares também. “A Dilma foi eleita, mas não tinha deputados/as aliados/as suficientes; por isso ela foi afastada”, disse.

As transformações nos governos Lula e Dilma foram lembradas durante a plenária. Alguns/as participantes relataram os avanços nesse período e medidas como a ampliação dos Institutos e Universidade Federais. A conscientização sobre a prisão política de Lula para impedir que ele seja candidato e ganhe as eleições também é algo claro para as pessoas. “Querem tirar Lula porque sabem que que se ele for candidato vai ganhar e mais uma vez eles vão perder a vez”, disse o petista.

Fernando Mineiro falou também da chapa construída pelo PT com pré-candidatos/as a deputado/a federal e estadual e da aliança do partido com o PCdoB e PHS. “A Zenaide [Maia] foi a única deputada do RN que não embarcou no golpe e contra os direitos dos/as trabalhadores/as. Ela pode ser uma candidata nossa ao Senado”, disse. Para organizar a pré-campanha na região Oeste e ampliar a rede de apoio será formada uma comissão com todos os bairros.

Fotos: Vlademir Alexandre