“Não se trata apenas do direito de Lula ser candidato, mas do direito inclusive de nós mulheres sermos candidatas. Se Lula é cerceado hoje, amanhã pode ser qualquer uma de nós, como foi com Dilma”. A preocupação da secretária de Mulheres do PT/RN, Divaneide Basílio, foi compartilhada pelas demais mulheres que lançaram, na última sexta-feira (23), o Comitê Potiguar das Mulheres pela Democracia e pelo Direito de Lula ser Candidato.

O lançamento reuniu mulheres dos comitês já lançados no RN; do PT, PCdoB, PCO e demais entidades que formam a Frente Brasil Popular; e de diversos movimentos feministas do estado. “Foi um momento muito simbólico e mostrou a pluralidade na ação do comitê. Demonstrou que as mulheres estão atentas à luta geral da sociedade como a defesa da democracia”, destacou a petista.

Divaneide Basílio falou sobre as conquistas e o protagonismo que as mulheres tiveram durante os governos Lula e Dilma e citou como exemplo a criação da Secretaria Nacional de Políticas Públicas para Mulheres – extinta por Temer assim que tomou o governo. “A Secretaria era um símbolo do compromisso político para a vida das mulheres e para a ampliação de direitos e de garantias institucionais desses direitos. Nesse contexto de golpe, tudo isso retrocede e enfraquece o conjunto de políticas públicas, principalmente as específicas”, disse.

Ela citou como exemplos de conquistas nos governos do PT, também, programas de inclusão como o Bolsa Família, que priorizava as mulheres. “Sei que ainda é pouco diante do cenário de anos sem políticas específicas. Assim, pautamos a ampliação de direitos e não retrocessos”, afirmou.

De acordo com a secretária do PT, a ideia é estimular a criação de comitês locais e acompanhar as agendas dos comitês já existentes. Elas formaram também uma equipe de coordenação composta pela secretaria de Mulheres do PT, secretaria de Mulheres do PCdoB, Coletivo Amélias, Marcha Mundial de Mulheres, CUT, Frente Brasil Popular e mandato do deputado estadual Fernando Mineiro.

O mandato de Mineiro está representado no comitê pelas assessoras Sandra Pequeno e Vanessa Amélia. Sandra reforçou a importância do comitê das mulheres para a luta contra a perda de direitos e destacou a importância da mobilização para combater os retrocessos que a sociedade, principalmente as mulheres, estão sofrendo desde o golpe.

“A gente está fomentando que defender o direito de Lula ser candidato é defender a democracia. Principalmente nesse momento de estado de exceção que estamos vivendo no país, onde todos os nossos direito estão sofrendo retrocesso, principalmente os das mulheres. As mais atingidas com a política neoliberal do governo Temer são as mulheres, como por exemplo a questão da previdência e dos direitos reprodutivos”, comentou a assessora.

Sandra Pequeno disse também que o lançamento do comitê foi um “pontapé inicial” da mobilização e que um dos encaminhamentos é interiorizar a luta. “Vamos levar a ideia para os municípios do estado e fomentar o lançamento de mais comitês de mulheres na defesa da democracia e pelo direito de Lula ser candidato”.

Fotos: Vlademir Alexandre (confira galeria de fotos AQUI)